Umbanda

Imagem:http://eceprab.com/blog
É uma religião, ou seja, o caminho para se chegar a Deus e encontrar à Luz.

Luz que nos mostrará porque aqui estamos, e como devemos seguir o caminho certo para chegarmos a Fé, Caridade e Humildade.

Falar em Umbanda é seguir estas palavras: “Umbanda sem Caridade, não é Umbanda!”.



Fé é crer com razão, ou melhor, sempre sabendo o por quê e não aceitando mistérios ou mentiras. Não tenha vergonha ou medo quando houver dúvida.


Humildade e simplicidade, quanto mais pobre, singelo, e sem luxo, maior será a Umbanda e seus filhos.

Umbanda para muitos como nós, é uma religião, ou melhor, um caminho para se chegar à Casa do Pai. Mas para pessoas que pouco sabem sobre este caminhar, é apenas uma Seita, ou Folclore, ou um punhado de Rituais.

Ser Umbandista é acima de tudo, ver a vida e viver como um filho de Deus. Encontrar na caridade exemplo e forças para viver. Não nos acharmos melhores ou diferentes dos outros irmãos. Temos sim, obrigações de sermos mais abertos e unidos uns com os outros. Sem diferença de credo ou de ponto de vista, somos todos iguais, perante o Nosso Criador (Deus).

Cabe a cada um de nós sermos mais ou menos evoluídos. As discussões não nos levam à razão. Vamos conversar, levar o nosso pensamento sem desmerecer nosso irmão.

Como SURGIU A UMBANDA:

Tudo começou com os nossos irmãos Africanos. Vindo da África como escravos deixando para trás seus irmãos, costumes, seus Deuses e Fé.

Adoravam a Deus e como todos desta terra (Planeta), tinham um modo de chegar ao seu Criador. As forças da natureza eram seus maiores símbolos.

Alguns deixaram, reinados, famílias e até bens materiais. A esses nossos irmãos só sobraram a Fé.

Tudo de material ou de seu, foi lhe retirado. Sofreram nos navios negreiros, com fome, sede e toda forma de crueldade.

Para quem os compravam, não passavam de “animais de carga”. Muitos não chegavam a nossa Terra, morriam pelo caminho. As doenças, os maus tratos se encarregavam de aliviar o sofrimento que lhes aguardavam.

Seus direitos como pessoas não eram reconhecidos. Isto sem falar no respeito ao próximo, sentimentos, fraternidade, piedade.

Aqui chegando eram vendidos aos Senhores e daí levados para senzalas, fazendo trabalhos pesados, e sem direito a nada, e sem esperança de retorno a Terra de origem. Viviam para enriquecer seus Senhores e sonhavam com a liberdade que Deus um dia lhe daria, isto é, no dia de sua morte ou desencarne.

Não podiam praticar sua religião. Seus lamentos e cantos, nem sempre eram permitidos, juntavam-se na senzala para pedir ajuda aos seus Deuses, mas tudo era feito em segredo.

Em nossa Terra, o Catolicismo era a religião permitida e a única aceita. Como então falar em Zambi (Deus), Oxalá (Jesus Cristo) e todos os Orixás?

Os padres Jesuítas falavam e com ordens dos Senhores passavam as suas doutrinas, como o único caminho para a Salvação.

O que fizeram nossos irmãos? Usaram as armas que tinham!

Juntaram os seus Orixás e as imagens do Catolicismo, que lhes eram apresentadas. Uniram o que contavam e encontraram na sua Fé as mesmas forças. Aos poucos foram recebendo as imagens dos Santos ou Mártires da Igreja. Passaram a rezar, a cantar e a evocar os Santos.

Os Senhores, então não tinham como proibir estas reuniões. Não sabiam, que junto das imagens, também os nossos irmãos desencarnados eram ouvidos e que os cativos acreditavam na verdadeira Vida.

Sabiam que estavam ali porque Deus determinara. Não entendiam bem, porque sofriam nas mãos dos brancos.

A esta associação, deu-se o nome de “Sincretismo Religioso”, e nasceu no Brasil a religião Umbanda, com muitos preceitos e fundamentos da Nação, mas também com as imagens e menções aos santos católicos.

A FÉ:

A Fé era a única certeza que Deus não os abandonara e quais os humilhavam seriam um dia tratado do mesmo modo.

A grande maioria seguia este caminho, mas haviam muitos revoltados.

Alguns pensavam em vingança e viviam para fugir e se vingarem. Estes irmãos sofreram ainda mais, pois sem Fé e esperança em Deus, suas mentes adoeciam e acabavam mortos e sem esclarecimento espirituais.

Chegando ao Mundo Espiritual cheio de ódio e querendo justiça com as próprias mãos.

Até hoje muitos irmãos ainda perseguem e cobram aos seus antigos Senhores as maldades que sofreram.

Ainda não despertaram e se julgam com direitos a fazer cobranças.

Esquecem que Deus tudo vê, e que nada, nem ninguém passa escondido aos seus olhos. Se houve revolta e vingança, também à Luz se fez. No meu pequeno conhecimento sobre os espíritos, creio que nunca se viu irmãos, mais humildes e iluminados.

Quanto Amor quanta Fé bem-dizem as dores e sofrimentos que passaram por Amor a Deus. Reconhecem que tudo serviu para purificá-los a elevação de seus espíritos. Agradecem a Deus a posição de Escravos e não de Senhores.

CARIDADE:

Caridade é atender aos filhos ou irmãos sem cobrar um centavo por saber que Caridade não se cobra. Dê de graça o que de graça, recebemos!

Jesus é Mestre Supremo e segundo suas pegadas, veremos que este foi é o exemplo a ser seguido.

Vê-se que em suas caminhadas na Terra nada era cobrado. Levava o Evangelho e as palavras de Deus sem cobrar nada a ninguém. Curava, ouvia os seus seguidores, perdoava, mostrava o caminho, não separava seus irmãos e nem lhes apontava os defeitos.

Via em todos o caminho para a casa do Pai. Alimentava-se em casa de irmãos ou pessoas nem sempre de boa conduta. Recebia abrigo e na manhã seguinte seguia nova jornada. Nunca houve pagamento em troca. É por este caminho ou lei que seguiremos na Umbanda.

HUMILDADE:

Humildade é o caminho único para se servir a Deus. Todos nós (Espíritas) encarnados ou não, devemos ser simples e humildes. Nosso exemplo maior é Jesus. Nasceu numa manjedoura, veio com a missão de Rei, mas nunca foi ligado a bens materiais. Nada nem ninguém o tiraram do caminho certo. Sabia o valor do dinheiro, do ouro, podia obter riquezas e prestígio fácil.

A sua volta, todos erros e ganâncias eram comuns. Não se precisava muito para justificar uma grande fortuna ou títulos de nobreza. Jesus sabia como ninguém que os bens eram necessários, mas como Mestre visto que a Humildade e Nobreza de Coração eram títulos mais importantes.

O homem precisa do seu trabalho, ganhar o pão com o suor do dia, mas não, mas pode ser escravo do dinheiro. O corpo não vive sem alimento, sem roupas ou teto. Sem trabalho e sustento ninguém sobrevive. Deus nos mostra que pelo trabalho, nos melhoramos e nossas matérias recebem as forças para cumprirem suas missões. Nosso lar, nossa família são à base de partida para uma jornada de luz.

Mas Jesus nos recomenda, não acumulemos tesouros na terra, onde os vermes e as traças os destroem. Acumulemos bens no Céu, onde nada nem ninguém podem destruí-los.

O que são estes Tesouros, Bens Materiais. Ninguém levará nada destes valores.

Na terra ficaram tudo que materialmente compramos. Só as boas Ações, Caridade prestadas, seguirão conosco.

Sejamos humildes, usemos tudo que Deus nos empresta por meio do dinheiro com sabedoria.

Vamos ter o teto, a roupa, o conforto que a matéria precisa, mas lembremos de dividir com os nossos irmãos de jornada.

A oportunidade sempre aparece. Hoje é alguém com fome, amanhã é um vizinho doente, por vezes basta um aperto de mão, um sorriso ou um abraço e já fizemos a nossa parte.

Sejamos humildes e pensemos que hoje ajudamos, e amanhã seremos ajudados. Ninguém encarnado ou não, vive sem ajuda de Deus.

Ao ler e estudar o Evangelho veremos que os Simples e Humildes verão o Reino dos Céus.

Isto é, habitarão uma das moradas do Senhor. Meu irmão, na vida material precisa de simplicidade.

Está só é possível se nos curvarmos diante das boas ações e nos empenharmos em Jesus.

Médium Perfeito é a humildade sem igual. Estamos na escola da vida e agora iniciamos as aulas da Espiritualidade. Sempre que oramos ou entramos em prece sejamos simples. Vejamos os nossos erros e faltas cometidas. Antes de pedir, agradecemos tudo que Deus nos tem dado.

Os espíritos de Luz estão nesta elevação, por suas boas ações e simplicidade.

Médiuns Vaidosos é Médium doente. Sua vaidade afasta a Luz, e os bons espíritos não se afinam. Não há como juntar as trevas a Luz.

Aos poucos nossos amigos espirituais se afastam e sós irmãos sofredores encontram afinidade. Vamos nos policiar. Quando um amigo maior ajudar alguém, não se julguem em grande posição, somos apenas intermediários.

Este Amigo também sabe que ele nada fez a não ser ter a graça de servir a Deus. Então para que dizer: Eu tenho um Guia Forte... Ou sou um ótimo médium. Vamos ser humildes, quando surgir um elogio, lembre-se que o mérito não é seu.

Você teve sim, oportunidade de se melhorar e Deus lhe deu esta chance de evoluir. Quanto mais simples, melhor será a comunicação entre os dois mundos.

Portanto, a Umbanda é uma religião lindíssima, e de grande fundamento, baseada no culto aos orixás e seus seguidores. Estes grupos de Espíritos estão na Umbanda “organizados” em linhas: Nanã, Iemanjá, Oxum, Inhasã, Ogum, Xangô, Oxossi, Obaluaê e Omulú, Crianças, Povo do Oriente, Pretos-Velhos, Almas, Malandros e Exus. Cada uma delas com funções, características e formas de trabalhar bem específicas, mas todas subordinadas as forças de Zambi e Oxalá.

Na verdade a Umbanda é bela exatamente pelo fato de ser mista como os brasileiros, por isso, é uma religião totalmente brasileira.

“SARAVÁ A NOSSA UMBANDA”

OXALÁ:

Vamos estudar não a vida em si, mas a figura do Nosso Mestre na Umbanda.

Como dissemos OXALÁ foi o nome dado a JESUS por nossos irmãos Africanos.

Para os Umbandistas é o chefe de todas os Guias e Falanges. As falanges são divididas em grupos, chefiados por Orixás ou espíritos determinados: NANÃ, IEMANJÁ, OXUM, INHASÃ, OGUM, XANGÔ, OXOSSI, OBALUAÊ E OMULÚ, BEIJADA, POVO DO ORIENTE, PRETOS VELHOS, ALMAS, MALANDROS E EXUS.

Nada sai deste planeta (TERRA) sem ordens de OXALÁ. É impossível se trabalhar no MUNDO Espiritual sem permissão ou não sendo uma falange Cristã.

Qualquer gira ou trabalhos poderão ser suspensos ou adiados se

recebemos ordens neste sentido. Prevalecem as ordens de OXALÁ.

Site que recomendamos: www.genuínaumbanda.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário